Startup que ensina carros a conduzir em vinte minutos ganha concurso da Web Summit

Ao contrário dos anos anteriores, este ano a startup vencedora não teve direito a um prémio monetário.

Aprender a conduzir em menos de um dia? A vencedora do concurso de startups da Web Summit deste ano — a Wayve — diz que bastam cerca de 20 minutos. Foi criada por estudantes do departamento de engenharia da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, com o objectivo de usar algoritmos e aprendizagem por reforço para pôr carros autónomos a conduzir nas estradas, sem os ter de programar com mapas das estradas de várias cidades. Desde Janeiro de 2018 que tem alguns automóveis a ser testados nas estradas do Reino Unido.

“A tecnologia de hoje usa sensores e regras para pôr carros autónomos em algumas cidades, mas o nosso projecto permite levar a condução autónoma a todas”, justificou Alex Kendall, o co-fundador da Wayve, no palco da Web Summit. Para Kendall, o sucesso da condução autónoma não depende de carros com “mais sensores, mais regras, e mais mapas”, mas de automóveis que consigam aprender a partir dos seus erros, tal como os humanos. Muito como um ser humano, que conduz através da audição e da visão, o sistema da Wayve quer “voltar ao básico“. Para funcionar basta uma câmara monocular virada para a estrada e um programa de computador que permite ao sistema aprender sozinho a partir de dados. Num vídeo de demonstração, vê-se um humano no lugar do condutor, preparado para corrigir a trajectória do carro autónomo a usar o Wayve quando este se engana.

Nos últimos três dias, Kendall teve de defender o seu projecto perante os 70 mil participantes da Web Summit e competir com outras 170 startups de todo o mundo. Contrariamente aos anos anteriores (em que a vitória vinha acompanhada por um prémio monetário e um programa de mentoria), este ano trouxe apenas a notoriedade. Para Kendall não é importante. “O que queremos é a notoriedade e a importância que o prémio nos dá”, justificou numa conferência de imprensa, de troféu na mão.

É a primeira vez que o concurso de startups da Web Summit não tem prémio. Em 2016, a startup vencedora (um robô dinamarquês que ensinava crianças a programar) arrecadou 100 mil euros da Portugal Ventures, e em 2017 um minifrigorífico francês para armazenar medicamentos conseguiu 50 mil euros e um programa de mentorado. O PÚBLICO tentou contactar a equipa de Web Summit sobre a mudança, mas não obteve resposta até à hora de publicação deste artigo.

Entre as três finalistas estavam também a Lvl5, uma empresa californiana que cria mapas detalhados em três dimensões (a partir de pequenas câmaras no pára-brisas de carros) para guiar carros autónomos, e a FactMata, uma empresa londrina que está a desenvolver um sistema que usa inteligência artificial para encontrar notícias falsas e depende de uma plataforma composta por jornalistas, activistas e cientistas. Ambas receberam mais votos da plateia a assistir às apresentações finais das startups. A Wayve, apesar de ser a favorita do júri, apenas conseguiu 11% dos votos do público na aplicação da Web Summit.

Para a equipa vencedora, agora o foco é usar o reconhecimento dado pela Web Summit para motivar mais empresas a pensar em projectos assentes em inteligência artificial. “Não quero enganar o mundo. Isto vai demorar tempo, mas é importante ter robôs capazes de compreender o meio ambiente que os rodeia”, diz o co-fundador Alex Kendall.

Fonte: Publico

 

Venda de automóveis financiados volta a crescer no Brasil

Consumidores brasileiros que conseguiram manter emprego e renda durante o período mais duro da crise voltaram a comprar carro nos últimos meses, reflexo de alguma recuperação de confiança após primeiros sinais da retomada econômica.

Essa é a explicação de executivos da área de crédito a veículos de grandes bancos brasileiros para o crescimento nos financiamentos do segmento, que ajuda a alavancar as vendas no ano. Montadoras relatam otimismo com o resultado de 2018 mesmo após paralisação dos caminhoneiros, Copa do Mundo e eleições.

Segundo dados do Banco Central, a carteira de veículos cresceu 12% em setembro quando comparada com igual mês de 2017. Os dados aparecem também nos resultados dos bancos no terceiro trimestre.

De acordo com Leandro Diniz, diretor do departamento de empréstimos e financiamentos do Bradesco, a combinação de taxa de juro, envelhecimento da frota e o começo de uma curva positiva de confiança trouxe a demanda de volta para o mercado.

“Quem está com crédito é o mesmo [consumidor] que já tinha, mas agora as pessoas estão mais dispostas a trocar de carro”, complementa Rodnei Bernardino de Souza, diretor do Itaú.

Quem tem veículo costuma trocá-lo, em média, a cada dois ou três anos, e são essas pessoas que começam a voltar ao mercado.

Estamos crescendo em taxas ainda moderadas. A gente ainda tem um tempinho para chegar no número lá atrás, tem demanda reprimida, gente que adiou a compra e a troca do carro para entrar no ciclo de confiança”, diz André Novaes, diretor do Santander Financiamentos.

Ele diz que a previsão do ano é alcançar os 3 milhões de veículos produzidos, ainda abaixo dos 3,7 milhões alcançados em 2013, o recorde do mercado.

Ajuda a atrair clientes a queda da taxa básica de juros, que saiu de 14,25% ao ano para a mínima histórica atual de 6,50%. Com a forte competição nessa linha, os bancos tendem a repassar o custo menor ao consumidor.

Neste mês, por exemplo, bancos sinalizam financiamentos com taxas mínimas de 0,89% (sem considerar IOF e outros custos, como seguro que costuma ser incorporado a financiamentos mais longos e que encarece o crédito final). A taxa média mensal medida pelo Banco Central é de 1,7%, a menor do sistema financeiro destinada à pessoa física, ao lado do consignado destinado a servidores públicos.

As taxas baixas são possíveis, dizem, porque quando o cliente paga uma entrada, está menos disposto a deixar de pagar as prestações. Além disso, o carro é a garantia em caso de calote.

O que não significa que os bancos tenham afrouxado os critérios para conceder novos financiamentos.

Os bancos lá atrás aprenderam mais a dar esse crédito e fizeram dever de casa. Os bancos não estão fazendo loucuras no crédito”, diz Novaes, do Santander.

Para o Bradesco, há um espaço grande de crescimento antes de mudança no apetite de risco.

O banco tem pré-aprovado quase 6 milhões de clientes para compra de veículos. E pré-analisados outros 10 milhões”, afirma Diniz.

É nesse espaço que as montadoras apostam para voltar a crescer.

Para ganhar dinheiro, o banco precisa emprestar para alguém”, diz Roberto Akiyama, vice-presidente comercial da Honda Automóveis sobre a retomada do interesse dos bancos em financiar a venda de carros.

Temos anunciado financiamentos com taxas incentivadas e de bancos bons, fortes. Estamos conseguindo, gradualmente, melhorar o índice de aprovação de crédito”, diz Marcio Alfonso, presidente da Caoa Chery.

A Ford espera ter um aumento em torno de 10% nas vendas em 2019, seguindo as previsões da indústria, diz Natan Vieira, vice-presidente de marketing, vendas e serviços da Ford América do Sul.

Temos trabalhado com o Bradesco, e estamos obtendo uma aprovação relativamente alta, há uma tendência de melhora em relação a anos anteriores”, afirma.

A questão dos juros terem baixado está ajudando. O desemprego continua forte, isso é um problema, mas essa volta da indústria é um respiro para nós. O varejo vem em um ritmo um pouco mais lento, mas tem reagido”, diz Vieira.

Roberto Bottura, presidente da Check Price (empresa especializada na precificação de veículos), tem uma leitura mais cautelosa para o próximo ano. Para ele, não haverá um crescimento significativo da oferta de crédito no mercado, pois as vendas não devem ter altas muito expressivas.

“Talvez haja uma melhora, mas ainda é pouco provável que o mercado de carros novos cresça muito no ano que vem. Os bancos estão com apetite, mas ainda estão com medo, pois tiveram prejuízos em 2015 e 2016 na área de financiamento. Querem crescer, mas querem crescer saudáveis”, diz Bottura.

Fonte: Uol