Começa nesta quinta-feira o Salão do Automóvel de Paris

Estamos na cidade-luz para trazer todas as novidades, que vão do Bugatti Chiron feito de Lego a uma nova Ferrari

Paris movimenta a indústria automotiva europeia e global com o mundial do automóvel revelando as últimas novidades do setor. O Salão da capital francesa abre as portas nesta quinta-feira.

Até o dia 14, o salão vai exibir novidades como o BMW 320, o K-ZE (Kwid elétrico), os SUVs e-Tron e EQC, Porsche Macan reestilizado, assim como o esportivo Ferrari Monza SP1.

Entre as francesas o show é da Renault, que traz uma geração de conceitos exóticos EZ-Pro, EZ-Go, EZ-Ultimo, completando a família que nasceu em Genebra e passou antes por Hannover.

Na bienal algumas marcas deixaram de marcar presença: Volkswagen, Lamborghini, Bugatti, Rolls-Royce, Mini, Volvo, Fiat, Jeep, Mitsubishi e Chevrolet (Opel). Trazemos, agora, mais detalhes dessas e de outras novidades importantes do evento.

 

Audi Q3
A Audi levou para Paris, conforme esperado, a repaginada que deu no Q3. A novidade já tinha sido apresentada na Alemanha, mas só agora dá para perceber de perto que o desenho do carro está mais expressivo em relação à versão anterior. A plataforma também foi modificada, saindo da PQ35 para a MQB. Entre as novidades estão faróis e lanternas em LEDs triplos. No interior, o modelo ganhou mais modernidade, com um cluster digital de 10,25 polegadas e uma tela de 10 polegadas.

 

 

Mercedes-Benz GLE
Outro que foi apresentado oficialmente antes do Salão, mas que está na cidade luz é o GLE. A quarta geração do SUV esbanja tecnologia para aumentar a segurança à bordo, para isso ele ganhou um sistema que detecta congestionamentos e reduz a velocidade automaticamente, além de ser capaz de ler faixas e placas de trânsito.

 

Porsche Macan
A Porsche introduziu o facelift Macan 2019 no final de julho, mas só agora a marca de carros esportivos de Stuttgart está lançando especificações técnicas preliminares para a versão européia. Comemorando sua estreia durante o Salão, o crossover revisado vem com um motor de 2.0 turbo. Conectado a uma caixa de câmbio de embreagem dupla de sete marchas, o propulsor ajuda o Macan atualizado a realizar 0-100 km/h em 6,7 segundos e superar 225 km/h.

 

Ferrari SP1
A Ferrari mostrou no Salão de Paris a SP1, que representa uma nova série da marca, que quer exibir o estilo evocativo da Ferrari dos anos 50, mas por dentro, ser pura tecnologia. Exemplo disso é que a inspiração para a criação do projeto aconteceu pela 812 Superfast com motor central. O motor da novidade é um 6.5 V12 que gera 809 cv. Com ele, a SP1 vai de 0 a 100 km/h em 2,9 segundos, com velocidade máxima superior a 300 km/h. Esses número superesportivos traduzem o DNA do veículo, que conta com um visual de carro de corrida. Inclusive, dentro da cabine, só há espaço para o motorista. Será que haverá versão de produção?

 

Ranger Rover SV Coupe
O modelo já foi mostrado no Salão de Genebra, mas estampa o stand da Land Rover em Paris. Com oferta de apenas 999 unidades, o SUV foi desenvolvido pela SVO (divisão de veículos especiais da veículos especiais da Jaguar Land Rover) e será produzido artesanalmente, de acordo com a demanda do comprador, que poderá escolher entre o interior monocromático ou em quatro combinações diferentes de materiais e cores contrastantes, além de uma paleta de mais de 100 cores externas, incluindo um exclusivo tom metalizado. Equipado com um motor 5.0 V8 de 565 cv, o SV Coupé é, segundo o fabricante, o mais rápido Range Rover já produzido, com, velocidade máxima de 265,5 km/h e capacidade de acelerar de 0-96 km/h em cinco segundos. As vendas do Range Rover especial terão início no último trimestre do ano. O preço de tabela do modelo para o Reino Unido será de 240 mil libras (cerca de R$ 1,076 milhão).

 

Renault EZ
A Renault inovou e apresentou o EZ. Trata-se de um robô-veículo que segue os quatro pilares das novas tendências: é elétrico, autônomo, conectado e compartilhado. É pura inovação. Primeiramente, o carro conta com realidade aumentada e é capaz de fornecer conteúdo de informação personalizado. A proposta, de acordo com a Renault, é reinventar a forma como as pessoas aproveitam o tempo no automóvel, onde os carros poderão perder o formato tradicional e se transformar em casas ambulantes.

 

Suzuki Jimny
A montadora levou para Paris o charmoso Jimny, que ganhou alterações no visual. No entanto, ainda não houve nenhum pronunciamento sobre quais mercados receberão a novidade, que já agrada quem procura um carro compacto e alto, características da atual versão que é comercializada por aqui.

 

Bugatti Chiron
Três milhoes de peças de Lego foram utilizadas para a “construção” desse Bugatti Chiron. Não existe cola entre as peças. Tudo foi montado. Até no motor, que é formado por 2.304 minimotores da marca. O brinquedo pode andar em até 30 km/h (os pneus são os únicos itens típicos de um automóvel) e não está a venda. Gostou?

Fonte: Estado de Minas (Leia o artigo completo)

Shell quer acelerar fim do Diesel e gasolina

Não é todos os dias em que assistimos a uma empresa multinacional a ir contra os seus próprios interesses…

É uma espécie de “harakiri” por parte da Shell. A petrolífera acredita que antecipar em cinco anos a intenções de proibição de venda de novos carros Diesel e a gasolina ajudaria a cumprir as metas do acordo de Paris. Num estudo da companhia, a Shell sugere que por volta de 2035 apenas os carros elétricos deveriam ser comercializados.

Esta proibição de venda de novos carros com motores de combustão interna proposta para 2035 antecipa-se em cinco anos à data estabelecida pelo governo inglês. A Shell considera ainda que isto seria possível graças ao desenvolvimento de veículos autónomos e elétricos para circualrem no centro das cidades e com novas e mais baratas formas de produzir os elétricos. A empresa aborda ainda os veículos movidos a FCV, considerando que o investimento no hidrogénio está atualmente estagnado, colocando os fornecedores o foco nos elétricos.

Sugere desta forma a Shell que a China, os EUA e a Europa antecipem as proibições de vendas de veículos Diesel e a gasolina. Para que tal aconteça, entre 2020 e 2050 do lado dos consumidores deverá existir uma redução em cerca de metade do uso destes veículos.

Fonte: Motor1