Carros mais antigos são incompatíveis com novos combustíveis

Estudo mostra que alguns carros antigos não vão poder usar a gasolina E10, um combustível que vai ser introduzido para reduzir as emissões de carbono.

Volkswagen, Ford e Nissan. Estas são as principais marcas que se podem queixar do facto de alguns dos seus modelos mais datados não serem compatíveis com a gasolina E10, que se destina a ser menos prejudicial ao meio ambiente.

Uma nova diretiva europeia, que será implementada a partir de 12 de outubro, determina que a gasolina com mistura de etanol passe a ser identificada na bomba pela letra E, sendo assinalada ao lado a quantidade de percentagem de etanol: E5, para misturas de 95/5; E10 para 90/10; e E85, com mais etanol que gasolina. Os modelos passam também a incluir a identificação do combustível desta forma, sendo que um carro alimentado a E5 não será compatível com gasolina E10, ainda que um automóvel preparado para se mexer com E85 consiga admitir gasolina com percentagens mais baixas de etanol. Problema: os automóveis com mais idade estão preparados para receberem apenas E5.

De acordo com um estudo da fundação britânica RAC (The Royal Automobile Club Foundation for Motoring), muitos carros que circulam atualmente nas estradas do Reino Unido, mas também da Europa, ainda não são compatíveis com o combustível. A Volkswagen lidera a tabela com o Golf, mas há mais modelos populares que não se darão bem com esta gasolina mais amiga do ambiente. A lista das dez principais incompatibilidades incluem o Nissan Micra e o Ford Escort. Só no Reino Unido, estima-se que em 2020 haverá mais de 630 mil carros a gasolina na estrada que não poderão ser abastecidos com E10. Destes, 150 mil terão sido fabricados a partir do ano 2000.

Quando o E10 for disponibilizado, os condutores precisam de saber se os seus carros podem usá-lo sem sofrerem danos“, explicou o diretor da RAC, Steve Gooding, justificando desta forma a utilidade do estudo que, acrescentou, “mostra que, mesmo dentro de alguns anos, ainda haverá centenas de milhares de carros nas nossas estradas que serão incompatíveis com o novo combustível“.

Embora alguns dos carros incompatíveis com o combustível E10 sejam modelos históricos, muitos serão antigos, mas com funções quotidianas e com os quais pessoas com baixos orçamentos contam para se locomover.”

As futuras designações dos combustíveis

Além da gasolina, todos os outros combustíveis passarão a ser designados por letras. Os Diesel vão exibir os códigos B7, B10 e XTL: os dois primeiros significam que o automóvel poderá usar biodiesel, com misturas de 7 ou de 10%, enquanto o terceiro serve para informar que o veículo apenas pode “levar” gasóleo sintético. A hidrogénio, os carros exibirão o código H2.

CNG, serve para indicar que o motor a gasolina pode receber gás natural comprimido; LPG (ou GPL como é conhecido em Portugal), gás de petróleo liquefeito; e LNG, gás natural liquefeito.

Fonte: KBB

O fabricante que mais vende na Europa é… a Opel!

O novo ciclo de medição de consumos e emissões WLTP veio baralhar as contas dos construtores. Saldo positivo para a Opel, que foi quem mais vendeu e empurrou a PSA para a liderança do mercado europeu.

A compra da Opel/Vauxhall pela PSA, há pouco mais de um ano, está a revelar-se um excelente negócio. Isto porque o conglomerado liderou as vendas de automóveis de passageiros na Europa, em Setembro, em grande parte graças ao desempenho da sua mais recente aquisição. Com 80.920 unidades comercializadas, a Opel/Vauxhall assegurou o 1.º lugar no top de vendas, algo que não acontecia há 13 anos (desde Março de 2005). Mais, portanto, do que a Peugeot (72.696 unidades), a Citroën (43.750) e a DS (3.034).

Esta mudança de liderança no ranking de vendas europeu ocorre após um mês atípico, pois em Agosto muitos consumidores anteciparam a compra de um automóvel novo, devido à entrada em vigor do novo ciclo de medição de consumos e emissões WLTP (World Harmonised Light Vehicle Test Procedure). Obrigatório para todos os novos modelos produzidos a partir do dia 1 de Setembro, o novo procedimento de testes, mais rígido (e realista) em relação ao consumo de combustível e aos níveis de emissões de poluentes, levou a que o mercado europeu se ressentisse, com uma queda de 23,5% nas vendas, face ao mês homólogo de 2017, depois de Agosto ter registado um incremento de 31,2% em novas matrículas, segundo os dados divulgados pela Associação Europeia dos Construtores Automóveis (ACEA).

Fruto destas alterações, Setembro de 2018 corresponde à maior retracção mensal da década, tendo ainda a particularidade de colocar a Volkswagen fora do top 3, pois a disputa foi cerrada: a Ford garantiu a vice-liderança, com 80.813 unidades transaccionadas, e a BMW estabeleceu-se logo a seguir (80.258).

Posição Marca Setembro 2018 Quota de mercado Setembro 2017 Variação
1 Opel/Vauxhall 80.920 7,2% 92.630 -12,6%
2 Ford 80.813 7,2% 94.297 -14,3%
3 BMW 80.258 7,1% 86.744 -7,5%
4 Mercedes 79.685 7,1% 92.372 -13,7%
5 Volkswagen 74.469 6,6% 157.029 -52,6%
6 Peugeot 72.696 6,5% 75.912 -4,2%
7 Renault 63.988 5,7% 95.160 -32,8%
8 Toyota 61.952 5,5% 63.415 -2,3%
9 Hyundai 46.532 4,1% 52.068 -10,6%
10 Skoda 45.993 4,1% 65.156 -29,4%
11 Citroën 43.750 3,9% 45.422 -3,7%
12 Kia 43.665 3,9% 44.492 -1,9%
13 Fiat 41.165 3,7% 62.874 -34,5%
14 Nissan 35.441 3,2% 64.117 -44,7%
15 Audi 31.199 2,8% 78.899 -60,5%
16 Volvo 28.011 2,5% 27.163 3,1%
17 Dacia 25.894 2,3% 34.914 -25,8%
18 Mazda 23.030 2,1% 25.339 -9,1%
19 Seat 21.764 1,9% 32.354 -32,7%
20 Mini 21.571 1,9% 25.066 -13,9%

Confirmando a reviravolta introduzida pelo WLTP, o construtor de Wolfsburg caiu mais de 50%, tendo sido ultrapassado pela Mercedes (79.685), o que o relegou para o 5.º posto da tabela. Segundo a ACEA, esta foi apenas a terceira vez desde o início do século que a Volkswagen não liderou as vendas na Europa. Mais grave é a situação da Audi, que perdeu 60% dos seus clientes, enquanto a Volvo foi a única marca no top 20 a registar números superiores aos do mesmo período de 2017 (+3,1%).

Quanto aos modelos mais vendidos, houve igualmente surpresas, pois as vendas do Golf caíram mais de 70%, o que deixa o bestseller alemão fora do top 10. Destaque ainda para o Toyota Yaris e para novo Classe A, que conseguiram os seus melhores resultados de sempre.

Fonte: Observador (Leia mais)