Bruxelas investiga BMW, Daimler e grupo VW por suspeitas de cartel

O cartel “pode ter negado aos consumidores a oportunidade de comprar carros menos poluentes, apesar de a tecnologia estar disponível para os fabricantes”, segundo a comissária europeia para a Concorrência, Margrethe Vestager.

A comissária europeia Margrethe Vestager, responsável pela Política de Concorrência da Comissão Europeia, adiantou que “a Comissão está a investigar se a BMW, a Daimler e a VW concordaram em não competir entre si no desenvolvimento e implantação de sistemas importantes para reduzir as emissões nocivas dos automóveis de passageiros a gasolina e diesel”.

Dito de outra forma: a Comissão quer saber se aquelas marcas conluiaram entre si instalar nos seus automóveis dispositivos que alterassem os dados das tecnologias que visam tornar os carros de passageiros menos prejudiciais ao meio ambiente. “Se comprovado, esse conluio pode ter negado aos consumidores a oportunidade de comprar carros menos poluentes, apesar de a tecnologia estar disponível para os fabricantes”, disse ainda Vestager.

Em outubro de 2017, a Comissão realizou inspeções nas instalações da BMW, da Daimler, da Volkswagen e da Audi, na Alemanha, como parte dos seus inquéritos iniciais sobre uma eventual coligação entre fabricantes de veículos automóveis no desenvolvimento tecnológico de veículos de passageiros.

A investigação aprofundada da Comissão “centra-se em informações que indicam que a BMW, a Daimler, a Volkswagen, a Audi e a Porsche, também chamadas de ‘círculo dos cinco’, participaram em reuniões onde discutiram nomeadamente o desenvolvimento e implantação de tecnologias para limitar as emissões nocivas dos veículos”, afirma a Comissão em comunicado.

Em especial, a Comissão está a avaliar se as empresas colaboraram para limitar o desenvolvimento e a implantação de determinados sistemas de controlo de emissões para os automóveis vendidos no Espaço Económico Europeu, a saber: sistemas de redução catalítica seletiva para reduzir as emissões nocivas de óxidos de azoto dos automóveis de passageiros com motores diesel; e filtros de partículas ‘Otto’ para reduzir as emissões nocivas de partículas dos automóveis de passageiros com motores a gasolina.

A investigação aprofundada terá como objetivo determinar se a conduta da BMW, Daimler e VW “pode ter violado as regras antitruste da UE que proíbem cartéis e práticas comerciais restritivas, incluindo acordos para limitar ou controlar o desenvolvimento técnico da União Europeia”.

Nesta fase, a Comissão não tem indicações de que as partes se coordenaram mutuamente em relação à utilização de dispositivos fraudulentos ilícitos para enganar os testes regulamentares.

Fonte: Jornal Económico

BMW G 310 R começa a ser montada no Brasil

BMW G 310 R começa a ser montada no Brasil

Conheça a 1ª moto de baixa cilindrada da marca, peças da moto vêm da Índia para a linha de montagem em Manaus. Modelo tem motor de 1 cilindro e 34,4 cavalos de potência.

A BMW G 310 R começou a ser montada em Manaus, na fábrica da empresa alemã no país, nesta quinta-feira (18). Esse é o primeiro modelo de baixa cilindrada da empresa para o mercado nacional e tem características urbanas. O preço ainda não foi divulgado.

Depois da G 310 R, a montadora vai trazer ao Brasil a G 310 GS, versão aventureira de sua linha de motos de baixa cilindrada.

PREÇO BMW G 310 R

A base de produção da G 310 R é na Índia, onde a fabricação é feita em parceria com a indiana TVS. De lá, as peças vêm ao Brasil para a montagem. Para a produação da moto e outros modelos, a fábrica em Manaus recebeu novo investimento de 4 milhões de Euros.

modelo chega ao Brasil em uma faixa de cilindrada que tem modelos como Honda CB Twister e Yamaha Fazer 250. No entanto, a BMW deve focar em uma faixa de consumidores que procuram modelos mais premium, como a KTM 390 Duke, Kawasaki Z300.

PREÇO BMW G 310 R

Motor de 34,4 cavalos

O motor é um inédito monocilíndrico de 313 cc, de refrigeração líquida, com duplo comando de válvulas e injeção eletrônica. De acordo com a marca, atinge até 34,4 cavalos de potência e 2,85 kgfm de torque.

Responsável por empurrar os 158,5 kg da motocicleta, o novo propulsor possui o cilindro inclinado para trás e cabeçote rotacionado a 180 graus, o que permitiu que a moto se tornasse mais ágil, segundo a fabricante.

PREÇO BMW G 310 R

Sua suspensão dianteira é do tipo invertida, comum em modelos de maior cilindrada, e os freios são a disco em ambos os eixos.

Os detalhes foram bem trabalhados e o modelo possui ambas carenagens laterais ao lado do tanque, dando a impressão de ser um produto robusto. Freios ABS são de série na G 310 R.

PREÇO BMW G 310 R