As seis marcas de automóveis mais antigas do mundo

As seis marcas de automóveis mais antigas do mundo desenvolvem e fabricam veículos há mais de um século. Tais insígnias resistiram a inúmeros avatares, crises financeiras e até a duas guerras mundiais. Surgidas quase todas como modestas e individuais iniciativas industriais, conseguiram impor ao longo dos anos grande personalidade nos seus modelos e duram até hoje.

1ª- Vauxhall, 1857
No ano de 1857, um engenheiro escocês chamado Alexander Wilson fundou, em Vauxhall, Londres, uma fábrica focada em produzir motores de barcos e motociclos. Depois de reorientar a empresa para a indústria automobilística, o primeiro automóvel que saiu da fábrica foi o Vauxhall 5HP, um veículo de dois lugares que foi construído, em 1903, por ordem do londrino Percy Kidner.

 

2ª- Opel, 1863
Adam Opel apresentou, em 1902, o 10/12 HP, com motor de dois cilindros. Sete anos mais tarde, em 1909, teria grande êxito com o Opel 4/8 HP, um automóvel que se popularizou em virtude da sua confiabilidade e robustez.

 

3ª- Peugeot, 1891
Armand Peugeot foi o homem que, no ido ano de 1891, fundou esta insígnia automóvel gaulesa: depois de construir inicialmente triciclos e quadriciclos a vapor, comercializou o seu primeiro automóvel com motor a gasolina. Tratava-se do Type 2, que deu lugar ao Type 3, o primeiro modelo do mundo fabricado em série e que totalizou uma produção de 64 exemplares.

 

4ª- Fiat, 1899
Em 1899 foi fundada a Fiat (Fabbrica Italiana Automobili Torino). Passado um ano chegaria à linha de produção, em Turim, o 3 ½ HP – de que foram construídas 26 unidades -, um quadriciclo desprovido de marcha-atrás.

 

5ª- Ford, 1903
Henry Ford construiu artesanalmente o seu primeiro veículo em 1886. A marca Ford, essa, nasceria no ido ano de 1903. A produção em larga escala através de linhas de montagem fez a Ford revolucionar a indústria automobilística. O modelo T, projectado pelo próprio Ford e produzido entre 1908 e 1927, foi o que impulsionou a marca nos seus primórdios.

 

6ª – Rolls-Royce, 1906
Em 1906, Henry Royce e Charles Rolls fundaram a marca que, desde então, é chamada para representar o luxo supremo no automóvel. O seu primeiro modelo foi designado Silver Ghost, um veículo que foi escolhido pela imprensa como o melhor automóvel do mundo depois de bater vários recordes de confiabilidade em longa distância.

 

Fonte: Motor24

 

O fabricante que mais vende na Europa é… a Opel!

O novo ciclo de medição de consumos e emissões WLTP veio baralhar as contas dos construtores. Saldo positivo para a Opel, que foi quem mais vendeu e empurrou a PSA para a liderança do mercado europeu.

A compra da Opel/Vauxhall pela PSA, há pouco mais de um ano, está a revelar-se um excelente negócio. Isto porque o conglomerado liderou as vendas de automóveis de passageiros na Europa, em Setembro, em grande parte graças ao desempenho da sua mais recente aquisição. Com 80.920 unidades comercializadas, a Opel/Vauxhall assegurou o 1.º lugar no top de vendas, algo que não acontecia há 13 anos (desde Março de 2005). Mais, portanto, do que a Peugeot (72.696 unidades), a Citroën (43.750) e a DS (3.034).

Esta mudança de liderança no ranking de vendas europeu ocorre após um mês atípico, pois em Agosto muitos consumidores anteciparam a compra de um automóvel novo, devido à entrada em vigor do novo ciclo de medição de consumos e emissões WLTP (World Harmonised Light Vehicle Test Procedure). Obrigatório para todos os novos modelos produzidos a partir do dia 1 de Setembro, o novo procedimento de testes, mais rígido (e realista) em relação ao consumo de combustível e aos níveis de emissões de poluentes, levou a que o mercado europeu se ressentisse, com uma queda de 23,5% nas vendas, face ao mês homólogo de 2017, depois de Agosto ter registado um incremento de 31,2% em novas matrículas, segundo os dados divulgados pela Associação Europeia dos Construtores Automóveis (ACEA).

Fruto destas alterações, Setembro de 2018 corresponde à maior retracção mensal da década, tendo ainda a particularidade de colocar a Volkswagen fora do top 3, pois a disputa foi cerrada: a Ford garantiu a vice-liderança, com 80.813 unidades transaccionadas, e a BMW estabeleceu-se logo a seguir (80.258).

Posição Marca Setembro 2018 Quota de mercado Setembro 2017 Variação
1 Opel/Vauxhall 80.920 7,2% 92.630 -12,6%
2 Ford 80.813 7,2% 94.297 -14,3%
3 BMW 80.258 7,1% 86.744 -7,5%
4 Mercedes 79.685 7,1% 92.372 -13,7%
5 Volkswagen 74.469 6,6% 157.029 -52,6%
6 Peugeot 72.696 6,5% 75.912 -4,2%
7 Renault 63.988 5,7% 95.160 -32,8%
8 Toyota 61.952 5,5% 63.415 -2,3%
9 Hyundai 46.532 4,1% 52.068 -10,6%
10 Skoda 45.993 4,1% 65.156 -29,4%
11 Citroën 43.750 3,9% 45.422 -3,7%
12 Kia 43.665 3,9% 44.492 -1,9%
13 Fiat 41.165 3,7% 62.874 -34,5%
14 Nissan 35.441 3,2% 64.117 -44,7%
15 Audi 31.199 2,8% 78.899 -60,5%
16 Volvo 28.011 2,5% 27.163 3,1%
17 Dacia 25.894 2,3% 34.914 -25,8%
18 Mazda 23.030 2,1% 25.339 -9,1%
19 Seat 21.764 1,9% 32.354 -32,7%
20 Mini 21.571 1,9% 25.066 -13,9%

Confirmando a reviravolta introduzida pelo WLTP, o construtor de Wolfsburg caiu mais de 50%, tendo sido ultrapassado pela Mercedes (79.685), o que o relegou para o 5.º posto da tabela. Segundo a ACEA, esta foi apenas a terceira vez desde o início do século que a Volkswagen não liderou as vendas na Europa. Mais grave é a situação da Audi, que perdeu 60% dos seus clientes, enquanto a Volvo foi a única marca no top 20 a registar números superiores aos do mesmo período de 2017 (+3,1%).

Quanto aos modelos mais vendidos, houve igualmente surpresas, pois as vendas do Golf caíram mais de 70%, o que deixa o bestseller alemão fora do top 10. Destaque ainda para o Toyota Yaris e para novo Classe A, que conseguiram os seus melhores resultados de sempre.

Fonte: Observador (Leia mais)