Como vender um carro usado acima da tabela FIPE

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Levar em consideração alguns pontos prometem um ganho a mais na hora de revender o veículo.

Muitos motoristas ficam na dúvida sobre o preço na hora de vender seus veículos usados. Nestes casos, utilizar a Tabela FIPE pode ser uma boa solução.

No entanto, apesar de existir uma tabela que pode ser utilizada como ponto de partida na hora da venda, para que o motorista consiga receber o valor justo pelo seu carro é preciso observar alguns pontos.

Levar em consideração os pontos a seguir prometem um ganho a mais na hora de revender o veículo.

Estado de conservação

Quando um consumidor procura um carro para comprar, o que mais chama atenção é o estado de conservação, ou seja, a estética do automóvel.

Neste sentido, a aparência deve ser a melhor possível, sem arranhões, amassados ou problemas com a pintura.

Por isso, em alguns casos, reparar a estética do automóvel pode atrair mais compradores e aumentar o valor de revenda do carro comparado à tabela FIPE.

No entanto, é preciso ponderar se a valorização que o veículo pode ter, compensa o gasto com a pintura.

Região

Alguns estados do Brasil possuem maior demanda por alguns tipos de veículos e essa variação regional também deve entrar na conta na hora da revenda.

É importante, portanto, verificar como é a procura pelo modelo do carro por localização. Afinal, sabendo disso, o cliente tem maiores chances de vender o automóvel acima do preço da tabela FIPE.

Cor

Cerca de 80% dos brasileiros preferem carros nas cores preto, branco, prata e cinza na hora de comprar seu carro zero.

Ou seja, outras cores podem ter uma aceitação menor e, consequentemente, mais chances de desvalorização e menores chances de revenda.

Por isso, considerar onde a cor do automóvel é mais valorizada também pode fazer com que o carro seja vendido acima da tabela FIPE.

Histórico do veículo

Alguns pontos levar a valorização ou desvalorização do automóvel:

  • quilometragem
  • colisão
  • leilão
  • roubo ou furto
  • relato de sinistro.

Afinal, a cada 10.000 km rodados, o carro é desvalorizado em 0.5%., e em caso de colisão, cerca de 8%.

Já em caso de leilão, a desvalorização é de 9,2%. Enquanto isso, os veículos que já sofreram roubos ou furtos se desvalorizam 3,5% e os que sofreram colisão em torno de 6,9%.

Marca do carro

Na hora de revender os automóveis, algumas marcas se destacam por um preço de revenda diferenciado, superior ao da tabela FIPE, como:

  • Honda
  • Hyundai
  • Toyota
  • Chevrolet
  • Ford

Entretanto, alguns pontos como custo de manutenção e disponibilidade de peças para reposição podem influenciar na preferência dos motoristas e impactar na valorização do carro e no preço na hora da revenda, independente do valor da tabela FIPE.

Fonte: Diario Prime

Gostou? Deixe seu comentário