Os super-carros mais espetaculares do Salão de Genebra

A edição deste ano do Salão Automóvel de Genebra foi marcada pelos carros glamorosos. E, como afirmou a senhora que vendia hamburgers a 40 dólares cada num restaurante local, “a vida em Genebra é cara”. Podia estar a falar dos hamburguers, mas aqui a afirmação também se aplica aos carros.

No meio de uma enxurrada de carros elétricos peculiares e afastamento dos consumidores das marcas convencionais europeias, dois grandes nomes do mundo dos super-carros – a Koenigsegg e a Bugatti – apresentaram automóveis que custam vários milhões de dólares para aumentar o seu prestígio e credibilidade.

Entretanto, marcas icónicas como a Aston Marti, Rolls-Royce, Lamborghini e Ferrari lançaram os carros da próxima geração e novas versões de modelos de sucesso infalível: o Vanquish Concept, o Cullinan SUV, o Huracan Evo Spyder e o F8 Tributo, respectivamente.

A Pininfarina e a Hispano-Suiza, duas fabricantes com uma longa história, juntaram-se à corrida com o lançamento de protótipos de carros elétricos que custam cerca de 2 milhões de dólares e não serão construídos tão cedo.

Claro que a Audi, BMW, Mercedes-Benz e Porsche também marcaram presença e com força. O preço da maioria destes automóveis está ainda abaixo dos seis dígitos. Resumindo, o que esteve ausente nos salões de Detroit, Nova Iorque e Los Angeles não faltou em Genebra.

Para quem quer dar um salto a Genebra, é bom que leve uma boa câmara e uma conta bancária recheada.

Em baixo estão os automóveis mais interessantes que vimos em Genebra.

Bugatti La Voiture Noire

Difícil de pronunciar para quem não é francês, o nome deste automóvel significa apenas “A viatura negra”. Assume-se como uma versão moderna do Bugatti 57 SC Atlantic dos anos 30 (o designer de moda Ralph Lauren tinha pelo menos um destes).

Foi fabricada apenas uma unidade e sim, já foi vendida, supostamente a Ferdinand Piech, o antigo CEO do Grupo Volkswagen. Está avaliado em 16 milhões de euros (18 milhões de dólares) e tem um preço base de 10 milhões de euros (12,5 milhões de dólares).

Koenigsegg Jesko

Com o nome do pai do fundador e CEO da Koenigsegg, Christian von Koenigsegg, o Jesko combina 1.280 cavalos de potência (pode atingir 1.600 com um combustível especial) com uma nova transmissão de nove velocidades e atinge uma velocidade máxima de 480 Km/h. Tem dois lugares e uma série de confortos como câmaras de estacionamento e outros apoios tecnológicos. São muitos luxos para um automóvel tão focado na velociade. A produção só deverá iniciar em 2021.

Hispano Suiza Carmen

Inspirado no Hispano-Suiza H6C Dubonnet Xenia de 1938 e nomeado para homenagear a neta de Damián Mateu, fundador da Hispano Suiza, o Carmen é um automóvel 100% elétrico que tem mais de 1.000 cavalos de potência e um preço de 1,5 milhões de euros.

Apesar dos números não serem espetaculares quando comparados com o super-elétrico da Pininfarina, o Carmen vai dos 0-100 Km/h em menos de três segundos. Com uma autonomia de 400 Km num carregamento, este modelo promete um desempenho excecional e tem um design pouco convencional. Será fabricado em Barcelona a partir de junho de 2020. Estão previstas apenas 19 unidades.

Ginetta Akula

Um carro nada reservado tendo em conta que é fabricado por uma empresa britânica antiga, o Ginetta Akula custa 532 mil dólares e grita por atenção em todos os ângulos. O motor V8 surge no meio do carro e vem acompanhado de uma transmissão de seis velocidades com tração traseira.

Além disso, tem 600 cavalos de potência e atinge uma velocidade máxima de 320 Km/h. É um carro de extremos, que pode andar na estrada mas foi feito para ser conduzido em pista. A Ginetta, que está localizada em Leeds, na Inglaterra, anunciou que vai produzir 20 unidades em 2020.

Ferrari F8 Tributo

Este é o novo V8 da Ferrari, que substitui os espetaculares 488 GTB e 458 Italia. Entre as novidades cheios de estilo estão uns faróis renovados, grandes luzes traseiras e uma aerodinâmica atualizada. Melhor ainda, tem um emocionante capot que cobre o motor localizado no meio do automóvel.

O desempenho é quase igual ao das versões anteriores, com 720 cavalos de potência que leva o automóvel dos 0-100 Km/h em 2,9 segundos. A velocidade máxima é superior a 320 Km/h e o preço ainda não é conhecido, mas as entregas começam no início do próximo ano.

Pininfarina Battista

Este é o primeiro modelo fabricado pela nova empresa Automobili Pininfarina, criada através da parceria entre a fabricante automóvel e a firma de design constituída em 1930. Tem o nome do fundador, Battista “Pinin” Farina e características únicas: totalmente elétrico e livre de emissões, 1.900 cavalos de potência, vai dos 0-100 Km/h em menos de dois segundos e bastam 40 minutos para ficar carregado a 80%.

Junta-se ao grupo dos super-carros Koenigsegg, Ferrari, Bugatti e Lamborghini que atraem os mais ricos. Só serão fabricados 150 unidades e metade deles já estão vendidos. A produção arranca em 2020. O preço é de 2,2 milhões de dólares.

Aston Martin Vanquish Vision Concept

O Vanquish Vision Concept junta-se ao F8 Tributo da Ferrari como o veículo de elevado desempenho e cheio de glamour que é vendido por um preço elevado. É o último dos vários protótipos e carros do futuro que a Aston Martin lançou, sendo que apenas alguns deles serão produzidos. O preço a que vai ser vendido ainda não foi anunciado, bem como várias das especificações do motor e de desempenho. Sabe-se que terá um chassis de alumínio e um motor V-6 inspirado na Formula1. Uma versão para produção deverá ser lançada no próximo ano.

Lamborghini Huracan Evo Spyder

O Huracan Evo Spyder com 630 cavalos continua a excelente linha Huracan com um motor V10 de 5,2 litros atmosférico que vai dos 0-100 Km/h em 3,1 segundos. A velocidade máxima é a mesma nas versões coupe e spyder: 325 Km/h. A principal diferença é que o Huracan Evo Spyder vem equipado com uma capota automática que se fecha em 17 segundos.

O novo Lambo promete aquela condução de emoções extremas que só uma marca exótica italiana consegue oferecer. É quase uma espécie em vias de extinção.

Fonte: Jornal de negócios

 

O mais “elétrico” salão do Automóvel

Modelos híbridos e elétricos começam a aparecer no Brasil e serão as estrelas da 30ª edição do Salão do Automóvel de São Paulo

Eles ainda têm participação nanica de 0,2% no mercado, com apenas 2.754 unidades vendidas de janeiro a setembro de um total de 1,78 milhão de automóveis. Modelos híbridos e elétricos, contudo, começam a aparecer nas ruas brasileiras e serão as estrelas da 30.ª edição do Salão do Automóvel de São Paulo, no próximo mês.

Mais de 20 automóveis de variadas marcas estão confirmados para a mostra, que ocorrerá entre os dias 8 e 18 de novembro no São Paulo Expo Exhibition. Alguns poderão ser dirigidos pelos visitantes em área reservada para testes, entre os quais o BMW i3 e o i8 e Renault Twizy e o Zoe. No primeiro dia do evento haverá uma carreata pela cidade com cerca de 30 carros movidos a eletricidade, promovida pela Abravei, associação de donos de veículos inovadores.

Outra novidade do salão será um espaço para palestras sobre mobilidade, com temas voltados aos veículos eletrificados, conectados e autônomo. “Vai ser o salão mais elétrico de todos”, afirma o presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Antonio Megale.

Um empurrão ao mercado de híbridos (com um motor elétrico e um a combustão) e elétricos (100% a energia) será dado a partir do próximo mês, com a entrada em vigor da nova tabela do Imposto sobre Produtos Industrializados. O IPI para híbridos vai variar de 7% a 20% e, para elétricos, de 7% a 18%, dependendo da eficiência energética e do peso do carro. Hoje é de 25%.

A medida vai aumentar a oferta de modelos menos poluentes ou totalmente limpos no País, “mas ainda não é suficiente para promover uma massificação”, ressalta Megale. A indústria defendia IPI de 7% para todos os veículos “verdes”, mesma alíquota dos carros 1.0.

Ainda assim, quase todas as montadoras devem mostrar no salão modelos importados que já estão à venda ou que serão lançados até o próximo ano. A General Motors apresentará o Bolt, compacto 100% elétrico com autonomia de 400 quilômetros, e a Nissan o novo Leaf, ambos para início de vendas em 2019.

Bolt

Leaf

Dos 2.754 veículos “verdes” vendidos neste ano, apenas 158 são elétricos e os demais são híbridos. Em igual período de 2017 foram vendidos 2.352 veículos, sendo 111 elétricos e os outros híbridos.

Segundo Marcelo Cioffi, sócio da PwC do Brasil, no mundo todo a venda de modelos puramente elétricos ainda é pequena pois, além do custo elevado, é preciso infraestrutura para abastecimento. Já as vendas de híbridos crescem mais rapidamente e o mesmo deve ocorrer no Brasil, mas no longo prazo. “O Brasil ainda é um país onde a maior parte dos carros vendidos é de modelos de menor custo e os elétricos têm alto custo.”

A BMW levará ao salão três híbridos plug in, o i3 e o i8 – com preços entre R$ 200 e R$ 800 mil -, e uma novidade ainda não revelada. “A estratégia global da empresa é pela eletrificação e até 2025 teremos 25 modelos e certamente alguns virão para o Brasil”, afirma Gleide Souza, diretora da empresa.

BMW i3

BMW i8

 

A Toyota trará o inédito Prius Híbrido Flex, que usa etanol no lugar da gasolina para gerar eletricidade. O carro foi testado em percurso de São Paulo a Brasília e agora passa por adaptações. “Estamos avaliando a venda, mas primeiro será importado pois o mercado não tem volume que justifique a produção”, diz Ricardo Bastos, diretor da companhia. O modelo na versão a gasolina custa R$ 125 mil. A Lexus, marca de luxo do grupo, vai mostrar o NX 300, que custa R$ 220 mil. A Audi terá quatro híbridos no estande (A6, A7, A8 e Q8), a Ford duas versões do Fusion (uma delas plug-in), a Kia três (Soul EV, Optima e Niro) e a Volkswagen o Golf GTE.

Marcas que não participam do salão também têm projetos para ampliar vendas. A Volvo oferece os híbridos plug-in XC90, XC60 e S90T8. A BYD vende os elétricos E5 e E6 e em 2019 trará o Song. A Tesla tem as versões S e X, que custam R$ 1 milhão.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte: Exame (Leia o artigo completo)