O fabricante que mais vende na Europa é… a Opel!

O novo ciclo de medição de consumos e emissões WLTP veio baralhar as contas dos construtores. Saldo positivo para a Opel, que foi quem mais vendeu e empurrou a PSA para a liderança do mercado europeu.

A compra da Opel/Vauxhall pela PSA, há pouco mais de um ano, está a revelar-se um excelente negócio. Isto porque o conglomerado liderou as vendas de automóveis de passageiros na Europa, em Setembro, em grande parte graças ao desempenho da sua mais recente aquisição. Com 80.920 unidades comercializadas, a Opel/Vauxhall assegurou o 1.º lugar no top de vendas, algo que não acontecia há 13 anos (desde Março de 2005). Mais, portanto, do que a Peugeot (72.696 unidades), a Citroën (43.750) e a DS (3.034).

Esta mudança de liderança no ranking de vendas europeu ocorre após um mês atípico, pois em Agosto muitos consumidores anteciparam a compra de um automóvel novo, devido à entrada em vigor do novo ciclo de medição de consumos e emissões WLTP (World Harmonised Light Vehicle Test Procedure). Obrigatório para todos os novos modelos produzidos a partir do dia 1 de Setembro, o novo procedimento de testes, mais rígido (e realista) em relação ao consumo de combustível e aos níveis de emissões de poluentes, levou a que o mercado europeu se ressentisse, com uma queda de 23,5% nas vendas, face ao mês homólogo de 2017, depois de Agosto ter registado um incremento de 31,2% em novas matrículas, segundo os dados divulgados pela Associação Europeia dos Construtores Automóveis (ACEA).

Fruto destas alterações, Setembro de 2018 corresponde à maior retracção mensal da década, tendo ainda a particularidade de colocar a Volkswagen fora do top 3, pois a disputa foi cerrada: a Ford garantiu a vice-liderança, com 80.813 unidades transaccionadas, e a BMW estabeleceu-se logo a seguir (80.258).

Posição Marca Setembro 2018 Quota de mercado Setembro 2017 Variação
1 Opel/Vauxhall 80.920 7,2% 92.630 -12,6%
2 Ford 80.813 7,2% 94.297 -14,3%
3 BMW 80.258 7,1% 86.744 -7,5%
4 Mercedes 79.685 7,1% 92.372 -13,7%
5 Volkswagen 74.469 6,6% 157.029 -52,6%
6 Peugeot 72.696 6,5% 75.912 -4,2%
7 Renault 63.988 5,7% 95.160 -32,8%
8 Toyota 61.952 5,5% 63.415 -2,3%
9 Hyundai 46.532 4,1% 52.068 -10,6%
10 Skoda 45.993 4,1% 65.156 -29,4%
11 Citroën 43.750 3,9% 45.422 -3,7%
12 Kia 43.665 3,9% 44.492 -1,9%
13 Fiat 41.165 3,7% 62.874 -34,5%
14 Nissan 35.441 3,2% 64.117 -44,7%
15 Audi 31.199 2,8% 78.899 -60,5%
16 Volvo 28.011 2,5% 27.163 3,1%
17 Dacia 25.894 2,3% 34.914 -25,8%
18 Mazda 23.030 2,1% 25.339 -9,1%
19 Seat 21.764 1,9% 32.354 -32,7%
20 Mini 21.571 1,9% 25.066 -13,9%

Confirmando a reviravolta introduzida pelo WLTP, o construtor de Wolfsburg caiu mais de 50%, tendo sido ultrapassado pela Mercedes (79.685), o que o relegou para o 5.º posto da tabela. Segundo a ACEA, esta foi apenas a terceira vez desde o início do século que a Volkswagen não liderou as vendas na Europa. Mais grave é a situação da Audi, que perdeu 60% dos seus clientes, enquanto a Volvo foi a única marca no top 20 a registar números superiores aos do mesmo período de 2017 (+3,1%).

Quanto aos modelos mais vendidos, houve igualmente surpresas, pois as vendas do Golf caíram mais de 70%, o que deixa o bestseller alemão fora do top 10. Destaque ainda para o Toyota Yaris e para novo Classe A, que conseguiram os seus melhores resultados de sempre.

Fonte: Observador (Leia mais)

Renault vai produzir carro elétrico compacto e acessível

O presidente do grupo mostrou em Paris, pela primeira vez, o protótipo K-ZE, versão elétrica do compacto Kwid, à venda no Brasil na versão flex

Paris – O presidente do Grupo Renault, o brasileiro Carlos Ghosn, mostrou na semana passada em Paris, pela primeira vez, o protótipo K-ZE, versão elétrica do compacto Kwid, à venda no Brasil na versão flex. O modelo será produzido na China a partir do próximo ano. “O futuro é elétrico”, resumiu Ghosn. Embora não tenha dado pistas sobre expectativa de preços, o executivo informou que será um elétrico “acessível”.

De acordo com Ghosn, o ganho de escala de produção na China vai possibilitar a redução de preço. Após o abastecimento do mercado chinês, o compacto deve chegar a outros mercados emergentes e o Brasil é um forte candidato, assim como a Índia.

O K-ZE foi apresentado um dia antes da abertura à imprensa do Salão de Paris, onde carros 100% elétricos e híbridos (que conjugam motores a combustão e elétricos) estão representados nos principais estandes da exposição, que vai até o próximo domingo. A maioria deles está distante dos planos das empresas para o Brasil.

Entre as promessas mais reais há o novo Toyota Corolla. A marca japonesa não confirma, mas a próxima geração do sedã deverá ser lançada no Brasil no ano que vem, em versão híbrida. Maior destaque do estande da montadora, a nova Corolla Touring Sports é a versão perua do modelo, que não está prevista para o Brasil.

O Audi e-tron é um crossover com autonomia de 400 km e previsão de lançamento no Brasil no segundo semestre de 2019. Os outros elétricos lançados em Paris não têm previsão de chegar ao País no curto prazo. É o caso da BMW, que mostrou o novo i3 e o i3s, com acabamento mais esportivo, com baterias de maior capacidade. A marca informa que a autonomia em condições normais de uso subiu 30%, para cerca de 260 km. A Mercedes-Benz apresentou o EQC, primeiro modelo de sua submarca de elétricos, a EQ. A autonomia é de 320 km.

De acordo com o site francês Automobile Propre, no ano passado foram vendidos no país 24.904 veículos 100% elétricos, salto de 14,2% ante 2016 (21.793 unidades). Este ano o volume acumulado até agosto é de 17.698 automóveis, alta de 7,1% ante o mesmo período do ano passado. Embora a alta seja consistente, os elétricos representam pouco mais de 1% do mercado francês total.

Na Europa toda, segundo agências internacionais, foram vendidos no ano passado 430 mil veículos elétricos, o equivalente a 2% do mercado total.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte: Exame (Leia o artigo completo)