Quantos carros existem no mundo?

Quantos carros existem no mundo, quem produz mais carros e quantos são destruídos todos os anos? Descubra neste artigo.

Há tantos automóveis em circulação por todo o mundo que, se os estacionássemos em fila, esta iria de Sydney, na Austrália, a Londres, no Reino Unido. Parece muito? Pois não é. Porque esta fila de carros estacionados regressaria a Sydney, depois a Londres e mais uma vez a Sydney. Ou pelo menos é isso que os nossos cálculos muito básicos nos dizem. Seja como for, há muitos.

Mas afinal quantos carros existem no mundo?

Os números específicos são ligeiramente difíceis de conseguir, mesmo recorrendo a todos os diferentes órgãos responsáveis ​​por contabilizar o parque automóvel. A melhor estimativa apontava, há dois anos, para 1,32 mil milhões de veículos, entre ligeiros de passageiros, pesados e pesados de passageiros. Esse foi o número estabelecido pelo gigante da indústria WardsAuto, com a ressalva de que não incluía veículos todo-o-terreno ou maquinaria pesada.

Alguns analistas do setor acreditam, porém, que já há cerca de 1,4 mil milhões de veículos a circular, continuando o número a crescer a um ritmo surpreendente. Para colocar esse crescimento em perspetiva, em 1996 existiam apenas 670 milhões de veículos e, em 1976, apenas 342 milhões…

Se essa taxa impressionante de crescimento continuar, com a duplicação total a cada 20 anos, pode-se esperar cerca de 2,8 mil milhões de veículos no planeta em 2036.

E afinal quem está a conduzir todos esses carros? Quantas pessoas no mundo inteiro têm carro à porta? De acordo com as estimativas mais recentes, a população mundial cifra-se em 7,6 mil milhões. Com uma estimativa de 1,4 mil milhões de carros na estrada, poder-se-ia dizer que apenas 18% da população é proprietária de um automóvel. Mas estas contas dizem pouco – afinal há crianças, que ainda não conduzem; idosos, que já não podem; e muitos adultos que simplesmente não querem…

A verdade é que a distribuição do parque automóvel é extremamente desigual. Nos EUA, por exemplo, o número de carros per capita na costa ocidental é muito maior do que na costa leste.

Qual o país com mais carros no mundo?

Durante muito tempo, a resposta a essa pergunta teria sido os EUA, onde, em 2016, o total do parque automóvel andava em torno dos 268 milhões de veículos e a crescer uma média de 17 milhões por ano.

Mas o mundo está a mudar e a China já ultrapassou os Estados Unidos: em 2017, havia 300,3 milhões de veículos em circulação. É importante sublinhar que os residentes da China não só compram mais carros por ano do que os EUA (27,5 milhões de veículos em 2017), como ainda há muita gente sem carro. O que significa que ainda há muito espaço para crescer, especialmente considerando a população de 1,3 mil milhões…

De acordo com um relatório, se a propriedade de carros per capita na China fosse igual à dos EUA, o país teria mil milhões de automóveis. E a estatística mais simbólica é a do recorde de mais de 90 milhões de veículos vendidos globalmente em 2017, com uma fatia de 25% destes a serem comercializados na China.

Todos os outros países são meros peixinhos em comparação. A Austrália, por exemplo, abriga uma frota de apenas 19,2 milhões de veículos, enquanto as Filipinas abrigavam somente 9,2 milhões em 2016.

Qual o país com mais carros per capita?

Sobre isso, os dados são muito mais claros. De facto, a Organização Mundial da Saúde e o Fórum Económico Mundial publicaram um estudo sobre este mesmo tópico (total de veículos registrados divididos pela população) no final de 2015, e os resultados são surpreendentes.

No topo da lista está a Finlândia, com 1,07 veículos por pessoa, com Andorra em segundo lugar, com 1,05 veículos. O top-5 completa-se com Itália (0,84), EUA (0,83) e Malásia com (0,80). No encalço destes, com taxas entre 0,75 e 0,73, estão Luxemburgo, Malta, Islândia, Áustria e Grécia.

Quantos carros elétricos existem no mundo?

De acordo com o Outlook 2018 do Mercado Global de Veículos Elétricos da Frost, um estudo que acompanhou as vendas de veículos elétricos em todo o mundo, 1,2 milhões de veículos elétricos foram vendidos em 2017, valor que deverá subir para cerca de 1,6 milhões em 2018, e cerca de dois milhões em 2019. O crescimento deve-se, em parte, aos 165 modelos oferecidos globalmente.

O mesmo relatório coloca o estacionamento total do EV global em 3,28 milhões de veículos, incluindo modelos híbridos totalmente elétricos, híbridos e plug-in.

Qual fabricante produz mais carros por ano?

O Grupo Volkswagen é o maior fabricante de carros do mundo, com 10,7 milhões de veículos vendidos em 2017. A Toyota fica em segundo lugar, com cerca de 10,35 milhões de veículos vendidos no ano passado.

Enquanto aquelas duas crescem, as marcas especializadas registaram uma queda. A Ferrari, por exemplo, trocou 8398 carros, enquanto a Lamborghini movimentou apenas 3815 veículos. A Tesla, em 2017, declarou 101.312 vendas.

Quantos carros são destruídos a cada ano?

Outra resposta curta? Poucos. Os números globais são difíceis de obter, mas estima-se que cerca de 12 milhões de automóveis sejam destruídos todos os anos nos EUA, enquanto cerca de oito milhões de carros são descartados na Europa, ou seja, há sempre mais veículos a entrar no mercado que a sair.

Fonte: KBB

Carros mais antigos são incompatíveis com novos combustíveis

Estudo mostra que alguns carros antigos não vão poder usar a gasolina E10, um combustível que vai ser introduzido para reduzir as emissões de carbono.

Volkswagen, Ford e Nissan. Estas são as principais marcas que se podem queixar do facto de alguns dos seus modelos mais datados não serem compatíveis com a gasolina E10, que se destina a ser menos prejudicial ao meio ambiente.

Uma nova diretiva europeia, que será implementada a partir de 12 de outubro, determina que a gasolina com mistura de etanol passe a ser identificada na bomba pela letra E, sendo assinalada ao lado a quantidade de percentagem de etanol: E5, para misturas de 95/5; E10 para 90/10; e E85, com mais etanol que gasolina. Os modelos passam também a incluir a identificação do combustível desta forma, sendo que um carro alimentado a E5 não será compatível com gasolina E10, ainda que um automóvel preparado para se mexer com E85 consiga admitir gasolina com percentagens mais baixas de etanol. Problema: os automóveis com mais idade estão preparados para receberem apenas E5.

De acordo com um estudo da fundação britânica RAC (The Royal Automobile Club Foundation for Motoring), muitos carros que circulam atualmente nas estradas do Reino Unido, mas também da Europa, ainda não são compatíveis com o combustível. A Volkswagen lidera a tabela com o Golf, mas há mais modelos populares que não se darão bem com esta gasolina mais amiga do ambiente. A lista das dez principais incompatibilidades incluem o Nissan Micra e o Ford Escort. Só no Reino Unido, estima-se que em 2020 haverá mais de 630 mil carros a gasolina na estrada que não poderão ser abastecidos com E10. Destes, 150 mil terão sido fabricados a partir do ano 2000.

Quando o E10 for disponibilizado, os condutores precisam de saber se os seus carros podem usá-lo sem sofrerem danos“, explicou o diretor da RAC, Steve Gooding, justificando desta forma a utilidade do estudo que, acrescentou, “mostra que, mesmo dentro de alguns anos, ainda haverá centenas de milhares de carros nas nossas estradas que serão incompatíveis com o novo combustível“.

Embora alguns dos carros incompatíveis com o combustível E10 sejam modelos históricos, muitos serão antigos, mas com funções quotidianas e com os quais pessoas com baixos orçamentos contam para se locomover.”

As futuras designações dos combustíveis

Além da gasolina, todos os outros combustíveis passarão a ser designados por letras. Os Diesel vão exibir os códigos B7, B10 e XTL: os dois primeiros significam que o automóvel poderá usar biodiesel, com misturas de 7 ou de 10%, enquanto o terceiro serve para informar que o veículo apenas pode “levar” gasóleo sintético. A hidrogénio, os carros exibirão o código H2.

CNG, serve para indicar que o motor a gasolina pode receber gás natural comprimido; LPG (ou GPL como é conhecido em Portugal), gás de petróleo liquefeito; e LNG, gás natural liquefeito.

Fonte: KBB