Quais são os principais impostos cobrados no Brasil?

Todos os meses, empresas brasileiras de todos os portes e segmentos precisam recolher impostos referentes à carga tributária de seus respectivos regimes de tributos. Em muitos casos, a parcela do orçamento gasto com o recolhimento de impostos é tão alta que é necessário um planejamento contábil e fiscal para que a empresa não tenha que operar com recursos limitados para sua expansão.

Pois, uma má gestão tributária pode levar a sua empresa à falência.

Afinal, você sabe o quanto paga de imposto? A pergunta pode até parecer óbvia, mas a verdade é que boa parte dos empreendedores brasileiros não sabe o quanto paga de imposto por mês. Além disso, existem a diferença entre tributo e imposto. O tributo é o valor recolhido que é direcionado a grupos específicos, como previdência social, por exemplo. Já o imposto é o valor recolhido e que será direcionado à serviços para o bem comum da sociedade, como educação ou saúde. No Brasil os principais impostos e tributos são divididos em federal, estadual e municipal.

Os impostos e tributos federais estão previstos na Constituição Federal de 1988 e devem ser recolhidos pelas empresas com sedes em todo o território nacional, segundo seus regimes tributários.

– IRPF (Imposto de Renda Pessoa Física): é o imposto federal mais importante, pois é cobrado de acordo com a renda dos brasileiros. A alíquota de incidência do IRPF varia de acordo com a renda. Renda inferior a R$1.903,98: isento; Renda de R$1.903,99 a R$2.826,65: 7,5%; Renda de R$2.826,66 a R$3.751,05: 15%; Renda de R$3.751,06 a R$4.664,68: 22,5%; e Renda superior a R$4.664,68: 27,5%.

Vários fatores contam como isenções de incidência do IRPF, como aposentadoria, pessoas portadoras de alienação mental, entre outros;

– IRPJ (Imposto de Renda Pessoa Jurídica): o valor cobrado depende da renda bruta das empresas, independentemente de seus portes ou segmentos. Portanto, todas devem recolhê-lo. As alíquotas são diferentes, segundo o regime tributário das empresas – 6% sobre o lucro acumulado inflacionário e 15% sobre o lucro real. Ou seja, elas podem optar por fazer a declaração de IRPJ trimestral ou anualmente;

– CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido): a cobrança dessa contribuição varia de acordo com a renda líquida de empresas, podendo variar de 9% até 20%;

– INSS (Instituto Nacional do Seguro Social): o valor recolhido pelo INSS é direcionado para a aposentadoria social do trabalhador brasileiro. O tributo é incidente nas pessoas físicas e jurídicas, e descontado diretamente da folha de pagamento do colaborador. As alíquotas variam de 8% a 11%;

– FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço): todos os meses, as empresas brasileiras precisam depositar o valor de 8% da renda do colaborador referente ao FGTS. Ao ser demitido sem justa causa ou após o período de cinco anos de inatividade da conta, o colaborador pode sacar o valor total da conta;

– PIS (Programa de Integração Social) ou PASEP (Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público): o valor do recolhimento do PIS e PASEP é direcionado para o pagamento do seguro-desemprego, abonos e outros benefícios. Essas contribuições sociais podem ser sacadas anualmente pelo colaborador, sobretudo nos casos de doença grave ou morte;

– COFINS (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social): com exceção das microempresas e EPP (empresas de pequeno porte), cujo regime de tributação é o Simples Nacional, todas as empresas, independentemente do segmento, devem recolher o COFINS. O valor arrecadado é direcionado a programas como saúde, previdência e assistência social.

O COFINS é cobrado de acordo com a renda bruta das empresas – Regime de Lucro Não Cumulativo: 7,6% e Regime de Lucro Cumulativo: menor que 3%;

– IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados): é um imposto cobrado das indústrias. É aplicado aos produtos industrializados de origem nacional ou internacional, bem como aos itens comprados em leilão;

– Imposto de Importação: esse imposto é incidente sobre operações de pessoas físicas e jurídicas. É cobrado todas as vezes que um produto importado chega ao Brasil. Para receber o produto, o comprador precisa recolher o imposto de importação;

– IOF (Imposto sobre Operações Financeiras): pessoas físicas ou jurídicas recolhem o IOF. Esse tributo é incidente em operações que envolvam câmbio, seguro, crédito, títulos ou imobiliárias;

– CIDE (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico): está relacionada ao combustível de automóveis, petróleo e seus derivados, e ao gás natural. É válida apenas para produtores, importadores e formuladores de combustível;

– ITR (Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural): como o próprio nome sugere, é um imposto cobrado apenas das propriedades rurais, cujos donos ou portadores de títulos devem pagar;

Já os impostos estaduais (ou seja, recolhidos pelos 26 estados brasileiros) são os seguintes:

– ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços): é um imposto cuja alíquota varia de acordo com a região. Cada estado possui autonomia para alterar a tabela de alíquotas. Todas as empresas que trabalham com compra, venda, transporte e circulação de mercadorias devem recolher o ICMS;

– IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores): todos os donos de veículos devem pagar o IPVA de seus veículos, independentemente do tipo de veículo. A alíquota varia de acordo com os estados e o valor arrecadado é dividido igualmente entre o Estado e o local onde o carro foi registrado;

– ITCMD (Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação): está relacionado com heranças e doações. Quando um bem é transmitido de um indivíduo para o outro por causa dessas situações, há a incidência do imposto e a alíquota varia a cada caso;

Principais impostos e tributos municipais

– IPTU (Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana): é incidente sobre qualquer imóvel. O imposto é cobrado de acordo com o tamanho do terreno, o total de área construída e não construída, além da localização e o acabamento. O valor é multiplicado pela alíquota que, geralmente, é de 1% para casas e 3% para prédios e terrenos;

– ITBI (Imposto sobre Transmissão de Bens Inter Vivos): toda vez que um imóvel é transmitido de um indivíduo para outro, há a incidência do ITBI. Em algumas cidades, esse imposto é conhecido como SISA. A alíquota deste imposto varia entre as cidades. No entanto, gira em torno de 2% do valor do imóvel;

– ISS (Imposto sobre Serviços): é incidente em toda empresa que trabalha com a prestação de serviços, independentemente de seu porte ou segmento, incluindo profissionais com ensino superior completo que trabalham sem carteira assinada. A alíquota deste imposto é de 2%, mas geralmente cobra-se 5% sobre o valor da nota fiscal.

Como pudemos perceber existem muitos impostos no país, por isso é preciso manter-se em dia com os recolhimentos de todos esses tributos. Isso contribui para que sua empresa não venha a enfrentar o pagamento de multas ou sofrer outros tipos de penalidades. Caso tenha alguma dúvida e precise saber como está a situação tributária de sua empresa, procure um contador. Ele vai te indicar e auxiliar com essas dúvidas.

Fonte: Administradores

Veículos do RN com placas com finais 1 e 2 devem quitar taxa de licenciamento nesta semana

O pagamento da taxa de licenciamento de veículos automotores tem os primeiros vencimentos planejados para esta semana, segundo o Departamento Estadual de Trânsito do Rio Grande do Norte (Detran). Os automóveis com placas de finais 1 e 2 estão com os vencimentos programados para acontecer nesta quarta-feira (20) e na quinta-feira (21), respectivamente.

Ainda de acordo com o Detran, para mesmas datas esses veículos também têm programado o vencimento da Taxa de Proteção contra Incêndio, Salvamento e Resgate em via Pública, que é destinada ao Corpo de Bombeiros Militar do RN. Porém o pagamento desta taxa ainda é dúvida. O Ministério Público pediu a anulação e o Tribunal de Justiça deve decidir sobre o caso na quarta-feira (20).

O Departamento explica que, nesse primeiro momento, a quitação dos licenciamentos deve ser realizada pelos proprietários de 257.468 veículos, o que corresponde a 19,9% da frota do Rio Grande do Norte. O valor da taxa do licenciamento de veículo do estado potiguar é uma das menores do Brasil e só perde para a do Maranhão e do Paraná. No RN, a taxa corresponde a um valor de R$ 90, independente do ano ou categoria do enquadramento do transporte automotor.

Uma novidade é que este ano o Detran modificou a forma de pagamento e não está mais emitindo o carnê físico que antes era enviado aos endereços dos proprietários de veículos cadastrados no sistema do Órgão. Agora o boleto de pagamento do licenciamento, como também do IPVA, seguro DPVAT e Taxa dos Bombeiros, é emitido digitalmente, podendo o cidadão ter acesso pelo site do Detran, pelo aplicativo para smartphone (Detran-RN), nas agências do PágFácil, e, para os clientes do Banco do Brasil, diretamente no caixa eletrônico.

A implantação do boleto digital pelo Detran, segundo esclarece o próprio Departamento de Trânsito, busca simplificar a vida do cidadão, além de ser uma ação de contenção de despesas, já que cerca de 50% dos carnês emitidos eram devolvidos pelos Correios, precisando ainda ser incinerados, gerando assim mais despesas. Outro fato é que a ação está de acordo com a responsabilidade ambiental do Órgão, já que evita a impressão em escala com uso de papel.

A taxa de licenciamento é o único tributo referente aos veículos cuja arrecadação é de responsabilidade do Detran, e os valores angariados são utilizados na manutenção física das instalações do órgão e nas ações empreendidas pela instituição no estado. Segundo dados do setor de Estatística do Departamento, há 1.293.781 veículos registrados no RN, sendo Natal (407.352), Mossoró (162.943) e Parnamirim (104.693) os três primeiros municípios no ranking de maior quantidade absoluta de automóveis.

O calendário de pagamento da taxa licenciamento tem seu término programado para o mês de junho, no caso dos carros com placas finais 9 e 0.

Fonte: G1